Chineses apresentam projeto em que ônibus passa por cima dos carros

Notícias sobre mobilidade:

http://engdofuturo.com.br/chineses-apresentam-projeto-onibus-passa-carros/

Anúncios

Como fazer as subidas de bike ficarem mais leves

http://www.youtube.com/watch?v=kAuZVmijI1M&list=TLmGKdiYiv8I0Vvyn4_xqaFT6J5atKFbc2

Encontro Bici Anjo – setembro 2013

 

 

No dia 25/09/13 alguns Bici Anjos se reuniram para conversar sobre as atividades do grupo.

foto01

Cidades descobrem que pedalar é bem lucrativo

Essa reportagem foi realizada pela Exame divulgando que  cada vez mais lugares descobrem que a vida sobre duas rodas não é boa apenas para a saúde e o meio ambiente – as bicicletas também podem dar um gás à economia:

http://exame.abril.com.br/meio-ambiente-e-energia/noticias/como-as-magrelas-podem-dar-gas-a-economia-se-deixarmos?fb_action_ids=591365104246880&fb_action_types=og.recommends&fb_source=other_multiline&action_object_map=%7B%22591365104246880%22%3A340218886124107%7D&action_type_map=%7B%22591365104246880%22%3A%22og.recommends%22%7D&action_ref_map=%5B%5D

Revista VELO

Saiu a primeira edição da revista VELO, aqui de Porto Alegre, com bastante coisa sobre o uso de bicicletas. As edições, pelo visto, são apenas online e gratuitas. O acesso pode ser por esse link:

http://revistavelo.wix.com/velo

Uso de bicicleta para ir ao Trabalho – Bom Dia Rio Grande

Segue o link da reportagem do Bom Dia Rio Grande de Hoje, que teve a participação do Bici Anjo.

http://g1.globo.com/rs/rio-grande-do-sul/bom-dia-rio-grande/videos/t/edicoes/v/pesquisa-pretende-entender-por-que-poucas-pessoas-vao-de-bicicleta-para-o-trabalho/2786739/

Reportagem com o Bici Anjo no G1 RS publicada em 16/08/13

Reportagem com o Bici Anjo no G1 RS publicada em 16/08/13

6/08/2013 11h35 – Atualizado em 16/08/2013 11h35

Grupo de Porto Alegre incentiva uso de bikes e orienta ciclistas no trânsito

Objetivo da organização é incentivar o uso de bicicletas como transporte.
Grupo existe no RS desde maio de 2011; atualmente são 13 voluntários.

1_5

Ao mesmo tempo em que se tornam cada vez mais comuns nas ruas e avenidas dePorto Alegre, os ciclistas também veem o número de acidente envolvendo bicicletas crescer na capital. De acordo com a Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC), em 2012 houve 287 acidentes, com cinco mortes. Até julho deste ano, já foram registradas quatro vítimas fatais, em 135 acidentes.

Para reduzir esses números, é que surgiu o grupo Bici Anjos. De acordo com o publicitário Cadu Carvalho, integrante da organização, esse modelo existe em vários locais do mundo. “O local mais próximo aqui de Porto Alegre é em São Paulo, e por conhecermos integrantes de lá, resolvemos seguir o modelo”, explica ao G1.

Com o lema “voluntários por um trânsito mais humano”, eles ajudam os ciclistas a se locomover por Porto Alegre. No Rio Grande do Sul, o grupo existe desde maio de 2011 e atualmente conta com 13 voluntários cadastrados. Para solicitar a ajuda de um dos Bici Anjos, é preciso preencher um cadastro através do blog do projeto e esperar que um deles entre contato. O processo demora de dois a três dias.

“Desde 2011, a procura tem aumentado bastante. De um ano para o outro, sempre aumenta o número de pessoas que pedem ajuda”, conta a administradora Daniele Ecker, voluntária do Bici Anjos.

346ciclo

Algumas vezes, nem é necessário a ajuda para se locomover pelo trânsito, apenas uma conversa já basta, o que torna o processo bem mais simples. “Com uma conversa, elas se sentem mais seguras e isso é o suficiente. Já outras precisam de alguns encontros para ganhar segurança e usar sozinhos a bicicleta para passeios ou trabalho. A ajuda começa muito antes de alguém subir na bicicleta”, conta Carvalho.

O fotógrafo Fred Lopes, de 40 anos, utilizou o serviço apenas uma vez. Ele conta que conheceu o grupo quando pesquisava na internet. Sem andar de bicicleta há cerca de 10 anos, procurou os Bici Anjos para andar pela cidade e esclarecer dúvidas sobre como deveria proceder no trânsito. Depois dos conselhos, pedala de uma a duas vezes por semana com o grupo Pedalight.

De acordo com a EPTC, Porto Alegre está implantando o Plano Diretor Cicloviário Integrado (PDCI), aprovado em 2009, que tem como objetivo incentivar o uso da bicicleta como meio de transporte. Alguns pontos de Porto Alegre já estão com a ciclovia completa: Restinga (4,6 km de extensão), Avenida Diário de Notícias (2,1 km), Ipanema (1,25 km), Avenida Icaraí (1,7 km), Rua Sete de Setembro (585 m), Avenida Adda Mascarenhas (1,2 km), José do Patrocínio (880 m) e Estrada das Três Meninas (1,650 km).

Ainda segundo o órgão, Porto Alegre tem uma previsão de 9,4 km de ciclovia na Avenida Ipiranga; 12 km circundando a área do Aeroporto pela avenida dos Estados, Severo Dullius, Dona Alzira e Sertório; 3,5 km na Voluntários da Pátria; 1,2 km na Loureiro da Silva, 650 metros na Avenida Chuí, seis quilômetros na Avenida Tronco e 1,1 km de extensão na Vasco da Gama/Irmão José Otão.

Com a conclusão da duplicação da Edvaldo Pereira Paiva (Beira Rio), que inclui uma ciclovia de 6,35 km de extensão, haverá integração dos espaços exclusivos para os ciclistas das avenidas Ipiranga, Edvaldo Pereira Paiva, Padre Cacique (um quilômetro a ser implantado) e Diário de Notícias (2,1 quilômetros já existentes), resultando em 17,4 quilômetros de ciclovias integradas.

Porém, de acordo com Cadu, é impossível que a cidade atenda as necessidades dos ciclistas. “Eu não acredito que haverá ciclovia em todas as ruas. Hoje, para continuar usando a ciclovia eu preciso sair dela, pois não é em todo lugar que há. Para quem quer passear, elas são muito boas, mas para quem quer utilizar a bicicleta como meio de transporte, são ineficientes”, explica.

Confira dicas para usar a bicicleta de uma forma mais segura
– Ser visto: o ciclista precisa ficar em uma posição em que os motoristas irão enxergá-lo.
– Não ser imprevisível: o ciclista precisa indicar o que vai fazer, onde vai dobrar.
– Obedecer regras: o ciclista precisa seguir orientações de semáforos e placas.
– Pensar o trajeto: nem sempre o caminho que se faz de carro é a melhor alternativa para quem anda de bicicleta.
– Condições de uso: cuidar para que o equipamento esteja adequado para andar na cidade.